Frequência de Classe - Um programa da Radio Line e Rádio Ideias

Frequência de Classe - Um programa da Radio Line e Rádio Ideias

Refiz 2017

Refiz 2017

Fique em dia com o nosso Município

Fique em dia com o nosso Município
Quite seus débitos com a prefeitura

terça-feira, 7 de abril de 2015

Estado deve implantar OSs na área da Educação aos moldes das charter schools americanas

Governador Marconi Perillo pretende repassar a administração de unidades educacionais estaduais para às organizações sociais. Modelo a ser adotado obteve grande sucesso nos Estados Unidos

Mas em resposta SINTEGO diz que esse  ação precariza a educação
“A terceirização da Educação não implica em melhoria da qualidade do ensino”, afirmou a professora da UNB, Catarina de Almeida Santos, que apresentou o primeiro painel do 9º Congresso Estadual do Sintego, nesta sexta-feira (15), juntamente com a presidenta da CUT Goiás, Bia de Lima e a presidenta do Sintego, Iêda Leal. Segundo Catarina, quando professores e servidores administrativos da Educação são terceirizados, por meio dos contratos especiais, perde-se o vínculo desses profissionais com a comunidade escolar e com o Projeto Político-Pedagógico da escola. 

Doutora em Educação, Catarina ressaltou que, na construção desse projeto educativo, é essencial que todos os educadores estejam envolvidos, o que exige um vínculo do profissional com a instituição e com a comunidade escolar. “Quando entra o processo de terceirização, permite-se a entrada de profissionais que estão ali só para executarem um serviço. Educação não é só prestação de serviço, é todo um processo amplo, complexo, que exige outro tratamento”, disse.

Para a presidenta da CUT-GO, Bia de Lima, o discurso de governantes de que terceirizar vai melhorar a qualidade da Educação não condiz com a realidade. “O trabalhador efetivo permanece muito mais tempo na escola. Com a terceirização, a rotatividade aumenta, comprometendo a qualidade do ensino. Sem falar que terceirização precariza a carreira dos trabalhadores”, afirmou.

A presidenta do Sintego, Iêda Leal, destacou que a única forma de ingresso de trabalhadores na Educação pública deve ser por meio de concurso. “Essa é uma de nossas bandeiras de luta. O concurso garante direitos dos trabalhadores e fortalece o vínculo desses profissionais com a comunidade escolar”, concluiu Iêda.
Fontes: Sintego / Leia também Opção
Postar um comentário

Palestras

Palestras
Invista em seu maior patrimônio, Pessoas.