Frequência de Classe - Um programa da Radio Line e Rádio Ideias

Frequência de Classe - Um programa da Radio Line e Rádio Ideias

Refiz 2017

Refiz 2017

Fique em dia com o nosso Município

Fique em dia com o nosso Município
Quite seus débitos com a prefeitura

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Saúde na UTI - Representante de hospitais particulares sinaliza para fim de convênio com o SUS para leitos de UTI

Por Marcelo Gouveia - Jornal Opção
A disponibilidade de vagas para leitos de UTI na rede pública de Saúde no Estado de Goiás ganhou mais uma vez repercussão na mídia após o falecimento da menina Nicole Vitória Ramos, de 2 anos. A criança morreu ao ser transferida de Catalão para uma Unidade de Terapia Intensiva a 400 km do município, em Santa Helena de Goiás. A situação, que já é complicada, pode piorar, já que hospitais da rede privada tendem a abandonar o convênio firmado com o Sistema Único de Saúde (SUS) para utilização dos leitos.

A avaliação é do presidente da Associação dos Hospitais de Alta Complexidade do Estado de Goiás (Ahpaceg), Haikal Helou, que representa os 15 maiores hospitais de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Anápolis e Catalão. 
Para tratar do assunto, o presidente da Ahpaceg se reuniu nesta quarta-feira (20) com o secretário estadual de Saúde, Leonardo Vilela, que garantiu a Helou que a complementação dos valores das diárias de UTI, que vinha sendo paga aos hospitais conveniados pelo governo Estadual desde o segundo semestre de 2013, continua em vigor. Com a complementação, os hospitais passaram a receber cerca de R$ 1,1 mil pela diária de UTI ao invés dos R$ 478,00 pagos pelo SUS.

“Há uma necessidade desses hospitais se manterem. Alguns já estão saindo do SUS e esse repasse do governo pode retrair esse processo, mas não pode impedir. Ou os hospitais vão fechar as portas ou vão procurar pagadores mais condizentes”, explicou o presidente da Ahpaceg.

Na reunião, Helou e o secretário também esclareceram o mal-entendido criado após declarações do titular da Saúde estadual à imprensa. Questionado quanto à falta de vagas de UTI, Leonardo Vilela havia afirmado que o que existe em Goiás é, na verdade, uma má gestão destes serviços. A fala incomodou o representante da Ahcepag, mas, conforme o próprio secretário, ele não se referia especificamente aos hospitais conveniados.

Sobre a falta de leitos em Goiás, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) afirma que o Estado possui atualmente 669 vagas de UTI, número acima do recomendado pelo Ministério da Saúde. Além disso, o secretário Leonardo Vilela já anunciou o surgimento de novas 100 vagas até junho deste ano.
Postar um comentário

Palestras

Palestras
Invista em seu maior patrimônio, Pessoas.